14/04/2011

31 de júpiter

08:00 - No momento estou procurando coisas do spin para guardar no dicionário
Já não se poderá mais dizer que os livros vão pro lixo por falta de espaço
Vou guardar isso no spin escritor,,..ou seria museu,,,

05:36 - Até mesmo para ver como funciona o whohub, entrevistei Eliza Leopoldo, spin desenhista, humana.

Estou aguardando resposta para as seguintes perguntas:

Tive a liberdade de publicar sua entrevista no meu blog sem sua autorização. Vc concorda?

O que você achou do meu blog?

Ontem, após uma palestra com o Agnaldo Farias no Centro Cultural da UFG, anotei o endereço do meu blog anotado num papel, no momento fiquei em dúvida se deveria ou não. Conversamos rapidamente, pedi o email dele, no que fui atendido, e lhe entreguei o endereço do meu blog, neste momento fiquei em dúvida, pintou uma dúvida muito grande sobre minha própria obra.

Porque que a gente é assim?

A este respeito....
http://www.dailymotion.com/video/xctbv8_ney-matogrosso-por-que-a-gente-e-assim_music

05:30 - Com o advento das novas tecnologias, qualquer pessoa poderá ser entrevistada, estou me referindo à ferramenta "Whohub", aproveite e leia esta entrevista com Eliza Leopoldo

05:15 - O que é Whohub, clique aqui

Em tempo:
Esqueci de dizer que hoje é o 31º canto de júpiter
A partir de agora pretendo usar o calendário para guardar minhas coisas, vídeos, fotos, relatos de sonhos, trata-se de uma estrutura criada prá isso, uma pena que, num momento de intensa insegurança, um dos meus personagens, o JL, jogou tudo no lixo, mas vou recuperar, incrível como ele, com seu perfeccionismo exacerbado, tenha jogado fora meus desenhos, pinturas, vídeos
ç
Isso também, uma entrevista que caiu agora no "Whohub", de um jovem ator aqui da minha cidade, não o conheço mas achei interessante e por isso compartilho aqui
Os artistas, inseguros*** que são, costumam deletar o que fazem, será que não há como guardar estas coisas sem que desapareçam como um picolé ao sol,  tudo tão efêmero, tanta coisa a fazer,  o dicionário spin está em aberto

*** Que bom que sejamos inseguros,  pois se há uma coisa que não rima é arte e estabilidade
...
Caro Irton Luiz, localizei sua entrevista ao verificar os últimos entrevistados de Goiânia, somente agora descobri o quanto bacana é o whohub, linkei sua entrevista no spin

Entrevista:
Você conhece o Teatro de Bolso Cici Pinheiro, ao lado do Teatro Inacabado? Se conheces, o que você acha do espaço?

Você conhece o Centro Cultural da UFG, na Praça Universitária?

Você sabia que na UFG há um curso de artes cênicas?

Sucesso!

 Em tempo2: Eu sei, os artistas somos inseguros, nunca temos certeza de nossas obras, nem sempre conseguimos, nós mesmos, traduzi-las ou olhá-las ou sê-las, afinal as fazemos em estado de ponto cego ou branco total ou buraco negro, o que gera uma grande instabilidade, melhor assim, pois quem pedra é que é estável e, por causa disso, uma pedra quase matou, eu estava em cima de uma serra, na beira de um despenhadeiro equivalente a um prédio de uns 200 andares, tudo pequeno lá embaixo. Sentei sobre a pedra para que um amigo tirasse uma foto. Pensando que a pedra estava colada, estava era solta e começou a rolar despenhadeiro abaixo comigo, por um triz não morri. E não morri pq havia um pequeno arbusto, parece-me que um pequeno pé de sambaíba, ao qual aguarrei-me. Foi esta árvore que me salvou. Por isso sou grato às pedras, quer dizer, às árvores.

Pq mesmo estou falando disso, ah sim, para dizer que os artistas somos instáveis, perdemos peso diante da gravidade para não sermos levados pelas estáveis pedras.

Eu sei que os artistas, diante de suas dúvidas ou inseguranças ou instabilidades, destruem tudo que criam, por isso criei o dicionário, para guardar estas coisas.

Ah sim, mais uma palavra no dicionário, o spin aposentado, quer dizer, entrevistado! Clique aqui

Nenhum comentário:

A História do SPIN