26/09/2013

Até que enfim o spin formatado

                                                     Estou aqui
                                                     Como se fosse possível, e é, terceirizar o transporte da cruz
                                                      Isso[essa ajuda esse força essa presença essa aliança] me fez prosseguir

Finalmente concluída a formatação da obra cidade spin
Feliz com o andamento, a história que aconteceu até aqui
E foi assim: Aos trancos e barrancos
Agora sei: Apesar da minha misantropia, quando fui atropelado sempre apareceu alguém para, assim como fez Cecília Cotrim, spin aliada, dizer-me: Estou aqui
E isso me fez prosseguir.
E se você pensa que foi fácil, não foi mesmo, de jeito nenhum.
O spin passou por tudo, inclusive pela experiência de ver a obra ser removida pelo Google, foram mais de 30 dias sem qualquer sinal de que a cidade spin seria restabelecida, sem falar na frase que ouvi dias atrás, quando o spin proprietário negou um cantinho na sua frutaria para a exposição do spin formatado
ISSO NÃO É GALERIA DE ARTE
Sei
Agora sei
E não é mesmo
Agora que está tudo pronto esta obra pode ser destruída a qualquer momento
Não tem problema não, o importante foram os estados de arte que isso nos proporcionou, isso ninguém arranca, está na nossa memória.
Eu sei dessa falta de discernimento das coisas por parte de muitos
Só dois tipos de gente: Os que delatam e o que relatam
Os que relatam vivem com deiscência e podem fotografar o sorriso das crianças
Os que delatam depreciam são os piores seres da Terra
A internet é um grande supermercado onde as pessoas roubam coisas prontas e praticam a maldade enquanto representação, ou seja, como avatares personagens, e pensam estar livres de consequências assim como se fosse possível a existência entre várias realidades quando há apenas uma realidade: A Realidade Spin, isso que justificou esta obra
E não foi fácil construi-la, isso demandou tempo, energia, disposição
Para quem não tem velocidade na hora da criação, isso não seria possível
Eu mesmo, quando o Google removeu  a memória do SPIN, tentei fazer tudo de novo e vi que isso não seria possível, pois chegar à meia dúzia de blogs encontrava-me prostrado e cheio de dores, foi quando vi que estava fazendo aquilo não em estado de arte mas de forma cartesiana.
(   ) Nâo rola.
Quando cheguei ao sexto blog, portanto, percebi que era uma questão de vida ou morte o Google restabelecer minha obra.
Como, pq, quando a obra foi removida
Quando: Em 2 de maio (júpiter), pelo próprio Google, segundo eles, por um equívoco.
Foram mais de 30 dias de via-crucis para retomar a obra, os técnicos de informática só me desanimavam quando me faziam a seguinte observação: Quando é o próprio Google que remove, não tem jeito, pode desistir, não tem choro nem vela.
Pq: Não sei pq cargas d´agua, a obra foi restabelecida, o Google se desculpou, etc.
Ótimo, vamos em frente.
Como: A cidade spin começou a sofrer uma série de ataques, de forma que tudo desapareceu, inclusive minha conta de email que, lá pela 5a. tentativa, consegui retomar.
Nessa tentativa de recuperar a obra, informei ao Google que eu era um spin sendo atacado por um span, o que levou a nova remoção, desta vez pelo próprio Google que, no caso, entendeu a mensagem de forma errada, remove uma página como SPAM não há  retorno e não adianta espernear pois que se trata de defunto sem choro nem vela mas, comigo, que dizer, com o SPIN, não foi assim, houve sim uma atitude correta por parte do Google que foi olhar a obra de perto e concluir: Não é SPAM e sim SPIN
É velha confusão com as coisas que se parecem mas não são
Eu sei que sou um bagunçado sem conserto, senão vejamos, ainda não fiz o backup desta obra, e pensando bem, isso(o backup) não me dá a menor satisfação, assim me esqueço, da mesma forma que me esqueço de inserir as tags marcadores pontes nos posts para que assim sejam construidos
os mensários, anuários...
Se a obra está acabada?
Não.
Está apenas formatada.
Preciso eliminar excesso de elementos
Tenho que remover dos 74 blogs que compõem o calendário spin, assuntos com data para vencer, essas coisas que não perduram
Isto é um processo
Essa coisa de entrar em estado de arte o que, não ocorrendo, fico preso
E o que consegue um roda presa senão ficar gritando de dores feito mulher parida
Eu também sinto dores, não de ferro mas carne osso
Ney Matogrosso sem osso
Que sente a flor o deserto
Todos os sentidos nossos
Ney Matogrosso sem osso
(   ) Reflexão sobre o não racionalismo do spin cantor
>>>>>>>>>> continuidade >>>>>>>>>>>>>

23/09/2013

Estudo para a Exposição "Isso Aqui Não é Galeria de Arte", do SPIN - III



Ontem esta escada me fez lembrar a revelação de uma revelação de sonho
O spin cantor abrindo seu show tendo uma escada igual a esta(claro, somente uma e não duas) e ele surgiu do tempo lá no alto e começou a cantar descendo a escadaria que era estreita e de cor vermelha, temi que ele se desequilibrasse e caisse uma vez que nem tinha corrimão, engraçado, ontem tirei várias fotos mas só apareceu essa, não sei o que ocorreu, vou ter que fotografar de novo

Estudo para a Exposição "Isso Aqui Não é Galeria de Arte", do SPIN - II



O que dizer de uma revelação de sonho na qual um mecânico de bicicletas construia belas obras sem saber, ele não tinha consciência de que aquilo era arte, isso era no maranhão, o duchamp do maranhão, ao acordar sai à procura deste rapaz e dirigi-me a uma cidade próxima e chegando lá vi exatamente o que eu tinha sonhado, a roda girando no torno da oficina, esqueci a máquina fotográfica, depois voltei com a máquina mas era tudo diferente, era outra luz, nem dei vontade de fotografar e de pirraça não fotografei, mas ficou na memória, há coisas que a gente tem que fazer na hora, como esta obra que fiz ontem, assim de supetão, nem esperava que fosse dar certo, até então era a obra era nada mais nada menos do que uma reveleção de um sonho, por isso nem acreditei quando ela se tornou real - Saiba mais https://www.facebook.com/media/set/?set=a.219744204855519.1073741828.195321027297837&type=1

22/09/2013

Estudo para a Exposição "Isso Aqui Não é Galeria de Arte", do SPIN - I



E não é mesmo, veja neste vídeo o momento em que o homem me disse: ISSO AQUI NÃO É GALERIA
http://www.youtube.com/watch?v=oj4BmDHNFCs

Pubiquei este álbum seguido do seguinte texto na memoria do tempo e tmbm no blog Mensários do Spin, ops, eu quis dizer linha do tempo:

AS PESSOAS (DES)NOMINARAM O MUNDO
É que hoje ouvi a seguinte frase exatamente no interior da galeria de arte dos meus sonhos: Isso não é galeria
Como não é
E por acaso o mundo não está por ser visto de forma equivocada
Estão lendo o mundo de forma errada
Inclusive esta cidade-spin deveria baixar o seguinte decreto: As frutarias são obrigadas a reservar um espaço para as obras dos artistas e, em contrapartida, receberá um abatimento no IPTU a título de incentivo à cultura
Mas não foi isso que o SPIN presenciou hoje: Praticamente foi expulso do verdurão
Se bem que ele(SPIN) já está acostumado com esse tipo de impropriedade
Já foi expulso até de cemitério quando o guardião dos corpos ficou tramando
No hospital também, muito tempo atrás
Incrível o mundo não se permitir ser reconstruido, (re) denominado
E por acaso uma jaca não pode ser uma via láctea
Tudo uma questão de dar nome às coisas

Leia mais, veja mais imagens >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>


18/09/2013

Os ataques contra Celso de Mello

Tal o caso Escola Base, o "mensalão" tmbm foi um erro de imprensa, se bem que o mentirão foi um erro proposital e bem articulado pela oposição ao PT, PGR, mídia e STF. Este vídeo nos lembra famosos erros de imprensa, dentre eles o mensalão, diz respeito tmbm ao poder de manipulação das massas pela imprensa. O certo é que os meios de comunicação tem o poder de manipular as massas ao seu bel prazer.



Como IV Avatar do Rio OOOOOOooo publiquei no Luis Nassif Online:


Ai, ai, ai, eu não sei se sorrio ou se choro vendo essas reações pq o final do mensalão a BBB deu com os burros n'água. será que os telespectadores da Globo não sabiam que o tempo da justiça é um e do da TV é outro? Quem mandou confundir final de julgamento com final de novela...

Os tais telespectadores frutados correram para o Facebook do Celso Mello para xingá-lo. Noutro post há gente pedindo intervenção dos militares para degolar o Dirceu. Quem são essas figuras? É o povo do Zé Serra, do Barbosa, do Malafaia...

Muito estranha essa manifestação de ódio por causa de um simples reconhecimento do réu poder recorrer da sentença que o condenou e, como se sabe, por um tribunal de exceção comandado pelos meios de comunicação. E olhe lá que o recurso nem é abrangente, pois dirá respeito a apenas a alguns pontos da sentença, tudo isso depois que fora negado aos réus o sagrado direito ao duplo grau de jurisdição.

De duas uma: ou esta gente irada tá confundindo o tempo da justiça com o tempo da TV Big Brother Brasil ou então o Brasil tomou essa feição de truculência à la Barbosa... Eu, heim, coisa de louco.

Vejam só, esse julgamento do mensalão é uma coisa prá lá de kafkiana e, antes de tudo, um espetáculo midiático. Só o padrão novelão, com um fim esperado tipo Dirceu algemado, sem que tenha tido direito a recurso ou pedido de clemência ao Merval Pereira. O que, não acontecendo, jogou um balde de água fria no fim do espetáculo grotesco cuja apoteose que havia sido programada pela Globo ao menos foi adiada.

O problema é este adiamento fará com que mais pessoas fiquem sabendo que o mensalão não existiu, daí a ira das marionetes teleguiadas contra Celso Mello, essa manifestação de ódio seria até risível não fosse trágica: Fascismo na veia, confira: 

Desatar o nó. Nó ou nós ou gondó ou nódulo, tanto faz

Rolou esta conversa no facebook, adorei, terminou sendo um gancho para abordar o assunto estados de arte vs objeto artístico vs mercado
  • Hoje tirei para compartilhar arte de artistas que conheço
    Me relaciono no FB com dois grupos, dois campos distintos, que é o pessoal que tem uma visão sobre governo, partido, etc, e um segundo grupo, os artistas. Nem sempre os pontos de vista políticos destes dois grupos distintos coincide, mas o que sei é que, se divergimos em alguns pontos, convergimos noutros, dos artistas me interessa a tricotomia estados de arte x objetos artísticos x mercado Adriano Melhem de Mello Paulo Veiga Jordao Mariana Marcassa Antonio Pinheiro Divino Sobral Carlos Sena Passos Rosane Chonchol Cão Mulato Alexandre Pereira Alex Hamburger
    • Cecilia Cotrim gostei da galera, josé..........
    • Alex Hamburger Cecília, conheci o José por aqui, me parece um excelente empresário (rsrs). Bon voyage.
    • Cecilia Cotrim o zé sempre namorou o rés de longe e de perto. com muita doçura e carinho, coisas de que estamos precisando, pois fazer arte nesse mundo já está ficando PUNK demais, as pessoas se pautando APENAS por esse oportunismo sem fim, coisa de que nosso querido SPIN está totalmente desprovido. bom coração total......
    • Adriano Melhem de Mello Obrigado José, não o conheço pessoalmente mas nós já nos conhecemos on line desde o blog do Edson, você me parece sagaz com seu pensamento anárquico, vem me ensinando.
    • José Carlos Lima Spin Cecilia Cotrim Alex Hamburger Adriano Melhem de MelloEsta resposta se transformou num nó. Como não ficar desconcertado com um comentário elogioso como este feito pela cecíia cotrim. Como servir a dois grupos tão distintos, no caso o pessoal que conheci no Luis Nassif e o pessoal do rés do chão. Um grupo pensa a política partidária e outro a arte embora a politica tmbm mas de uma forma mais anárquica o que é natural para nós artistas e nossos estados de arte. Obrigado pelos comentários e o que sei é que me sinto muito muito muito muito em débito com o mundo artístico a arte os estados de arte isso de sair um pouco do mundo cartesiano mundo no qual estive imerso ultimamente para discutir questões outras que nem sempre batem com o que os artistas poderiam esperar de mim. Talvez o grupo A(artistas) preferisse me ver abordando tão somente arte. É bem provável que o grupo B(polis) me cobre estar ausente exatamente neste momento em que o STF poderá ceder à pressão da mídia para não dar direito de recurso aos réus do julgamento do mensalão. Por isso agradeço aqueles que, mesmo sabendo do meu ponto de vista sobre esta questão(mensalão, governo Dilma...) me respeitam, sendo que pode ocorrer que alguém poderá manifestar uma visão politica que não coincide exatamente com o que penso. Como resolver este nó? Da minha parte e, penso que da dele também, isso não é motivo para não convergirmos sobre outros pontos. Só sei que o o bom mesmo seria não termos que nos ocupar com o mundo lá fora e, assim, podermos adentrar mais na não normalidade do mundo e me cobro por não estar dando a devida atenção aos meus estados de arte que no caso é este mundo não racional mas artistíco e nem sei se convém essa divisão mas é que na prática vivo isso e as vezes nutro um certo sentimento de culpa por mergulhar totalmente e não me dedicar de corpo e alma à arte e ainda não tenho resposta para isso mas penso que isso se deve ao fato de que ....sei lá....não tenho resposta...neste ano entrei em estado de arte,,,um momento,,,o performer Washington Ferreira acaba de me enviar uma mensagem in box, vou conferir prá ver o que eh,,,ah sim, ele disse: José Carlos Obrigado por apreciar minha performance, é bom ver que nesse estado atual da arte, a arte performática ainda tem seu espaço. Obrigado,..Gente obrigado, tive a liberdade guardar no SPIN esse nosso bate-bola, não mereço tanto consideração de vcs mas isso é que me comove, o apoio quando a gente é apenas um esboço, uma possibilidade e nada de concreto,,..tá vendo me esqueci até do mundo,,,estou atrasado pro trabalho não vi o tempo passar ,,Ah, tem ainda um terceiro grupo, que é o das relações familiares, parentes, bem como o pessoal do meu local de trabalho,,,fui
      há 17 minutos · Editado · Curtir · 2
    • Cecilia Cotrim adorei sua intervenção no corrimão da escada do rés, josé, nunca me esqueço daquilo, naquele encontro de dezembro de 2005, na lavradio.
    • José Carlos Lima Spin Cecilia Cotrim me desculpe responder somente agora, e o que posso dizer é que aquele encontro na casa do Edson Barrus me marcou muito, me lembro de tudo, o abraço do Cão Mulato quando nos encontramos, haviam uma porção de gatos, parece-me que uma mãe havia parido dias atrás, aquele montão de gatos e eu ali esperando o Edson chegar, ai foi só festa, vc eu e outros parece que o Tattoo saimos para fazer compras no supermercado, teve um momento que peguei no sono e acordei pronunciando a frase AGORA SEI. E fiquei sabendo mesmo do som do RJ que ecoava numa espécie de música, fomos à sua casar à sua casa, passeamos à noite, havia uma leve chuva, era de madrugada e era tudo ao contrário do que as pessoas diziam quanto ao RJ ser violento e não era, me perdi pela cidade, embora fosse um coletivo, pude desfrutar de um passeio a sós, e nesse périplo rodei por todo a parte antiga do RJ, fui até ao mar, visitei vários museus, templos, passei por túneis conversei com várias pessoas, terminei vendo-me numa exposição de Márcia X da qual vc era curadora, a Márcia X ficou na minha cabeça, tudo muito intenso e bonito, senti a presença dela no local e, já em Goiânia, dormi e vi-me assistindo a uma performance dela(Márcia X): Apolos mirando o sol, sons.,,E foi isso,,.os artistas todos juntos,,,depois o Edson veio com o coletivo Quarentena Bienal onde conheci outras pessoas bacanas como oAntonio Pinheiro e que tenho-os no meu coração, como todo coletivo, é natural que ocorram alguns atritos mas isso tmbm fica como parte da história o importante é o saldo positivo e este saldo é grande e intenso. Ah, quanto a escadaria, jamais pensei que vc pudesse se lembrar daquilo, eu estava em EA(Estado de Arte) mas naquele momento até pensei que as pessoas pudessem não ver assim, mas era EA, lembro de ter escrito alguma coisa, parece-me que na parede, grande bjs

A arte de Washington Ferreira

Postei isso no Facebook




Spin: Pandora´s
Adorei
Washington Ferreira, isso é seu?

Washington Ferreira Sim José Carlos, Uma escultura que fiz no final do ano passado e estava guardada em caixas de papelão, esse ano tive a oportunidade de expor ela em um manifesto cultural que organizamos.



A História do SPIN