13/04/2010

Aviso

Caso a data da postagem acima permaneça por 1 ano sem atualização, isto poderá ocorer por um destes motivos:

O IV Avatar deixou a vida por morte ou invalidez para a escrita.

Algum hacker ou pessoa mal intencionada se apropriou desta obra do IV Avatar. Neste caso o IV Avatar poderá ser estar aqui no espelho desta obra.

Ou aqui nesta plataforma plataforma wordpress

Caso o IV Avatar não se encontre em nenhum dos lugares indicados, não tenha a menor dúvida de que o IV Avatar deixou a vida. Neste caso, no dia 31/03/2029 clique neste blog post - mortem onde estão postadas coisas no momento presente para virem a público na data indicada.

Esta obra começou por causa da frase ou oração "alteração da realidade" pronunciada pelo Panteão ou Pantaleão. Isto é um spin ou sistema poético informativo nato. Alterando a realidade... Não seria náutico ao invés de nato? Não preciso preciso apagar minha poesia para alterar a realidade. Sei. Agora sei. Tanto faz. Não seria fuga ao invés de alteração? Sei. Agora sei. Tanto faz. Não poderia ou deveria ser autista ao invés de artista? Dever ou poder. Aqui não há tanto faz. Dever é uma coisa. Poder é outra. Eu não devo. Apenas posso. Não posso dever mas apenas poder. ( ) Parabolic power ou poder parabólico. O mundo foi criado sem palavras. As palavras não são precisas ou exatas. Nâo à exatidão ou lógica. O mundo ou arte foi feito para ser sentido ou não. Não para ser explicado. Ney Matogrosso sem osso. Que sente a flor o deserto. Ney Matogrosso sem osso. O Homem destrói a Terra. E constrói naves de ferro para fugir mas, lá fora ou longe ou distante, quando perceber o que temos ou somos, ele voltará com uma rosa no coração ou olho ou ser para plantar no deserto. No deserto sentidos nosso. Porta ou coração ou olho ou ser. Tanto faz. Isto não seria música ao invés de página? Não sei. Agora sei. Tanto faz. Tanto faz! Tanto faz! Ou peixe ao invés de folha. Ou folha ou peixe. Ou peixe-folha. Invisível. Disfarçado. Assim como se fosse, e é, um artista. Ou autista. Tanto faz. Agora sei.

Nenhum comentário:

A História do SPIN