13/12/2011

A viagem a Pirenópolis para o encontro com Ney Matogrosso

Não pude ficar para o show porque o último ônibus de volta para Goiânia era dentro de 30 minutos. Fiz o que eu tinha que fazer e voltei correndo. Por isso não pude, como gostaria,  ficar para o show e, talvez por ter pensado sobre isso, nesta noite sonhei com ele cantando naquele palco em Pirenópolis. 

O show do spin cantor estava marcado para as 20:30, saí de Goiânia e embarquei em Anápolis rumo a Pirenópolis. Que viagem agradável, de vez em quando uma chuvinha bem aconchegante, e foi assim até o destino. Por sinal quando cheguei ao estádio onde ocorreria o show eram 17:30 horas e, à procura do Marivaldo, secretário do Ney, subi ao palco no qual estava sendo preparado o cenário.  Pude perceber que haviam ali muitos aparelhos e caixas de som naquele palco restrito. Diante da constatação do pequeno reduzido espaço físico para a movimentação do spin cantor, lembrei-me de um sonho no qual ele se apresentava uma bela performance mas sem transitar muito pelo ambiente, o que não impediu sua gestualidade. 


Aliás, como nesta noite sonhei que assistia ao show dele apresentado neste domingo, 11/12/11,  fiz uma busca no Youtube para ver se alguém gravou alguma coisa.


Sim.  No vídeo abaixo o spin cantor estava testando o som,  um auxiliar dele aponta o que eu também havia notado: a falta de espaço, dá para ouvir no áudio.

Este vídeo não é do show "Beijo Bandido" e sim de um momento bem informal e bem antes. Trata-se do spin cantor testando a passagem de som. O público ainda não se fazia presente, nem eu, exceto algumas pessoas. 


Ficha Youtube: "Ney Matogrosso no Canto da Primavera em Pirenópolis - Go 2011 ( Passagem de som ) Part 1"
(Mozaoamamozao)



Em Pirenópolis


Cheguei a Pirenópolis às 17:00 horas, tendo permanecido uns 30 minutos na cidade, tempo suficiente para entregar a  camiseta ao spin cantor.  Como o spin cantor ainda não havia chegado,  o objeto foi entregue a/c do Marivaldo,  secretário, que estava passando o ferro numa roupa, deveria ser a do spin cantor, os espaços físicos eram bastantes reduzidos, o camarim do tamanho de um ovo e naquele momento 5 músicos haviam acabado de chegar com seus instrumentos musicais,  talvez artistas querendo apresentar coisas para o Ney, não sei ao certo, ou então da banda, será, não perguntei, tive que voltar correndo para Goiânia porque  o último ônibus retornaria dentro de alguns minutos. 



Isto é um processo de acumulação.  Ao final de cada mês de 73 dias (74 em marte de ano bissexto) eu deveria ter, diante das coisas coletadas, retirado o que seria interessante e, ressignificando-os, formar um mensário.


No camarim


Ao entregar  o objeto para o Marivaldo havia um segundo auxiliar por perto, com o qual tive uma rápida conversa


Ele: Te conheço de algum lugar, ah, é de Brasília


Eu:  Como é seu nome? 

Ele:  Krishna . 


Eu (pensando):  Será o Cristian, ou Cristiano? Se for, está diferente. Devo estar confundindo Krishna com Cristiano. 


Eu (falando):  Sei que vocês estão numa  correria danada, desculpa, tchau.


E voltei para Goiânia - Rio Meia Ponte

Em tempo:


Esqueci de dizer que,   ao chegar em Pirenópolis,  não foi fácil encontrar o spin cantor, quer dizer, sua equipe. Ao chegar à Rodoviária eu não sabia para onde ir, onde o pessoal poderia estar,  em qual hotel ou  pousada poderiam estar hospedados.

Pedi para um mototaxista me levar a uma pousada mais próxima.



Ao chegar, notei que aquele recinto tinha aspecto de museu.

Eu(Imaginando ter ter adentrado no lugar errado): Isso aqui é uma pousada ou um museu?

Recepcionista(Não muito feliz com minha observação): Uma pousada.

Eu: O Ney Matogrosso tá aqui?


Recepcionista: Não.


Eu: Onde ele poderá estar?


Recepcionista: Não sei. Talvez em nenhuma delas, pode ser que ele venha de Goiânia num helicóptero  e aterrise no heliporto que fica no cavalhódromo

Eu: Você poderia me indicar uma pousada onde ele poderia estar, alguma 5 estrelas?

Recepcionista: Não existe este tipo de classificação para pousas. Aqui em Pirenópolis existem mais de  150 pousadas. 

Eu: Tchau.


Ele: Disponha.


Diante de conversa tão desanimadora dirigi-me ao cavalhódromo onde seria realizado o show e ali, senão localizaei  o spin cantor,  resolvi o que tinha que resolver, pois encontrei-me com o Marivaldo, em quem muito confio e  para quem fiz a entrega  do objeto que fazia parte daquilo que era parte de um processo narrativo ou pictórico ou sensorial ou transportador. Agora sei,  percorri um trecho de 250 km de ida e volta


Catalogação ou marcador ou tag para a postagem acima: Pirenópolis 05/70 


Nenhum comentário:

A História do SPIN