Translate

23/04/2018

Diários de Classe, no IV Festival Fronteira, de cinema, em Goiânia

Nesta noite sonhei olhei fui um spin turista: serras, caminhos, paisagens
E um emaranhado de páginas blogs sites
E uma página se chama PENSO

Ao acordar, reconfigurei uma das 116 páginas do spin verbo para penso
Notei que a foto de perfil do spin verbo está desfocada (clique aqui): talvez o excesso de velocidade tenha tornado informe a forma

Ontem encerrou-se a IV Semana da Amizade Sem Fronteira

Às vezes vejo as coisas de uma forma diferente daquilo que são ou está escrito: sei lá porque desde quando vi anunciado o IV Festival Fronteira, li como sendo IV Festival Sem Fronteira

Talvez seja um condicionamento ou lembranças do passado presentes: a amizade

Foi o que vi no festival: pessoas de vários países conversando

Ontem, tarde de domingo, assisti ao último filme: Diários de Classe

Pelo título e pela sinopse, pensei que fosse um filme dirigido a professores

Muito mais que isso, trata-se de uma interessante e bela abordagem sobre a nossa sociedade dividida em classes, representada por 3 categorias maltratadas no dia a dia: empregadas domésticas, presidiárias e trans

Geralmente pessoas pretas.

Autor: José Carlos Lima

Post relacionado:

Diários de Classe, por Amanda Aouad,
Diários de Classe - documentario

Uma mulher trans, uma empregada doméstica e uma presidiária. Três mulheres, três realidades que se aproximam pela dificuldade de inclusão na sociedade e busca da sala de aula como forma de melhorar de vida. 

documentário Diários de Classe mergulha nesses três universos para discutir a educação no país e a falta de oportunidade para pessoas de periferia, negras e de baixa renda. Discute a herança escravocrata nas relações dos trabalhos domésticos, a arbitrariedade da justiça e o preconceito com transsexuais, utilizando o micro para falar do macro de uma maneira franca e direta.




Diários de Classe - documentarioUtilizando a técnica do cinema direto da câmera invisível, acompanhamos a rotina principalmente na sala de aula, ainda que em alguns momentos a linguagem mude e a câmera acabe sendo citada ou participando de alguma ação mais diretamente. A maneira como os diretores intercalam as três tramas, fazendo-as dialogar, eleva a questão universal, inclusive com um momento explícito em um evento quando uma palestrante fala que a justiça é diferente para os três "p" (preto, pobre e periferia). Ao mesmo tempo, a obra consegue a sensibilidade de abordar o particular de uma maneira envolvente ao destrinchar suas personagens. 

Vânia Lúcia, acusada de envolvimento com tráfico de drogas, conversa sobre o drama do seu filho desaparecido e da prisão que julga indevida. A cena em que ela discute com uma colega sobre a dificuldade de lutar por seus direitos já evoca diversas questões delicadas. A falta de uma defesaadequada a ponto dela buscar o código penal para tentar estudar é um exemplo. A colega ainda fala sobre um estagiário que seria o único contato que elas tiveram até o momento com a defensoria pública

Diários de Classe - documentarioMaria José é uma empregada doméstica que luta pelos seus direitos de trabalhadora. Vinda de Cachoeira, passou por dificuldade e hoje se diz estabelecida, com uma filha pequena, que carrega para as aulas. É o ponto de equilíbrio do trio, a mais politizada e que procura seu espaço no mundo. A cena em que aconselha uma colega que faltou aula para cuidar dos filhos da patroa é o ponto alto da sua curva. 

Já Tifany é, das três, a personagem mais fragilizada. Com imensa dificuldade ainda para aprender a ler, sofre com o preconceito e, apesar de viver em um abrigo, não parece ter encontrado seu lugar no mundo. A parede escrita reforça: "ela não é tímida, ela foi silenciada". 

Necessário em sua reflexão, Diários de Classe é daqueles filmes que nos tira da zona de conforto. Grita a necessidade de atitude urgente e nos deixa com um nó na garganta em diversos momentos. Um trabalho que vem coroar o bom trabalho da dupla de diretores ligada à educação e questões sociais como o projeto Lanterninha.

Filme visto no XIII Panorama Internacional Coisa de Cinema.


Diários de Classe (Diários de Classe, 2017 / Brasil)
Direção: Maria Carolina e Igor Souza
Roteiro: Maria Carolina e Igor Souza
Duração: 76 min. 

Amanda Aouad Facebook Crítica afiliada à Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema), é doutoranda em Comunicação e Cultura Contemporânea (Poscom / UFBA), especialista em Cinema pela UCSal, roteirista do núcleo TV Show e dos curtas "Ponto de Interrogação" e "Dia de Cão", além da equipe de roteiristas de séries como "Turma da Harmonia", "Bill, o Touro" e "Tadinha". É ainda professora de Audiovisual, tendo experiência como RTVC e Assistente de Direção.


Nota de Mural do Spin:

Páginas relacionadas ao tema

Spin cineasta

http://spincineasta.blogspot.com.br/

Spin anunciante
Spin escravo

Spin penso

Spin preso

Spin misógino

Spin homofóbico

Spin racista
http://spinracista.blogspot.com.br/









Nenhum comentário:

Postar um comentário