23/06/2009

Ontem - 25/70

Este spin permite-me visitar o ontem.
Daqui prá frente haverá o mínimo por aqui, ou seja, na face deste spin.
O rosto desta obra não será espaço para meus excessos.
Por aqui não.
Quando digo excessos estou me referindo a estas coisas que escrevo sem eira = beira.
Isto que apago quando a poeira assenta.
Para ir ao dia de ontem clique aqui
Melhor assim.
Alguém me disse uma vez "não apague a sua poesia".
Não sei se isto é poético, está mais para patológico, talvez eu deva ter um médico como receptor.
E extrair da minha anamnese aquilo que de fato interessa, as coisas que ficaam após o amanhecer.
É tudo tão efêmero.
Se bem que não devo preocupar-me tanto com as coisas mal ditas, uma vez que tenho um porão onde posso ficar durante os 70 dias úteis do spin.
Posso recolher-me no sótão dos excessos e tecer lá minhaa anamnese.
Será que no momento estou divergindo digo viajando?
Somente amanhã para saber
( ) no centro do mundo real
lastreado de matéria

Grato,
spin não sei lá o que
sem matéria

1
Estas coisas não eram para terem sido escritas aqui
Um momento
Vou dirigir-me ao porão desta obra
Quero ficar a sós

2
A partir de hoje não direi onde estou
Amanhã afirmo onde estive
Chega
Preciso de um mínimo de liberdade
Vivemos num mundo em que somos observados, monitorados
Sonhei com isso esta noite
Uma pessoa seguindo o spin cantor

3
Os pequenos atos que se executam são melhores que todos aqueles grandes que apenas se planejam.
George C. Marshall
(In: frases aleatórias no SPIN - link ao lado)

4
[Busca]
Subnutrido de beleza, meu cachorro-poema vai farejando poesia em tudo, pois nunca se sabe quanto tesouro andará desperdiçado por aí...
Quanto filhotinho de estrela atirado no lixo!
Mário Quintana
(In: frases aleatórias no SPIN - link ao lado)

Nenhum comentário:

A História do SPIN