01/10/2010

O bom combate, neste dia que nos resta - II

Brasilianas.Org

IV Avatar do Rio Meia Ponte achou interessante esse conteúdo do site Brasilianas.Org e gostaria de compartilhá-lo com você.

O novo presidente e a liderança brasileira

by luisnassif
O reconhecimento europeu do novo Brasil:
Da Deutsche Welle
BRASIL | 29.09.2010
Próximo presidente terá que comprovar liderança internacional do Brasil
Quem vencer as eleições encontrará caminho pavimentado deixado por Lula no cenário internacional, avaliam especialistas. Conquistas deixaram o Brasil em mais evidência e criaram grandes expectativas.
Ao fim da primeira década do século 21, as maiores instituições do globo acompanham com atenção o fim da era Lula e a chegada de um novo líder político brasileiro. Mas, há 20 anos, o mundo não esperava ver o Brasil atuando com influência no cenário internacional.
"O que vemos agora não era previsível. O Brasil, assim como outros países da América Latina, passou por uma ditadura, teve uma entrada tardia na democracia e teve que lutar por uma série de coisas. Acho que muita lição de casa foi feita. Lula mostrou ao mundo coisas novas e áreas novas em que seu país poderia contribuir", avalia Federico Foders, especialista em Relações Internacionais e professor da Universidade de Colônia, no oeste alemão.
Clique aqui para saber mais sobre o nosso site


Meu comentário

Notícias que você não vai ler na imprensa brasileira

Dilma vai surpreender o mundo
A "Economist" também transcreve uma longa entrevista que fez com o presidente e publica a reportagem "O legado de Lula". Abre ouvindo uma vendedora de flores, para quem Lula foi "o melhor presidente de todos os tempos", e Marcelo Neri, da FGV, que descreve, na economia, "o melhor momento em toda a história do Brasil".

A revista destaca, entre as declarações de Lula, que "estamos começando a assentar os passos para que os mais pobres comecem a ascender à classe média". Questionado se ainda pretende voltar, "Você pode ter certeza de uma coisa: eu estou indo embora".E questionado sobre a sua candidata: "Dilma vai surpreender o mundo".

Com chamada de capa, a "Economist" publica o editorial "The handover", algo como a passagem do bastão, conclamando Lula a "let her go", deixar que ela se vá. A revista aposta que Dilma vence, se não no primeiro, no segundo turno. Elogia fartamente os oito anos de Lula
A agência de notícias Reuters, em matéria de Caetés, Pernambuco, ressalta que o próprio "Brasil encara a vida sem "o cara'". No texto, destaca frase de Maria da Penha: "É uma pena que ele está indo embora. É como se estivéssemos perdendo nosso pai".Nelson de Sá

Le Monde

Brasil: os anos Lula contam uma história bem bonita

O “Financial Times” o retratou como o Cristo Redentor, a estátua que, do alto do Corcovado, domina a baía do Rio de Janeiro. De braços abertos, protetor, zelando para sempre pelos brasileiros. Na premiação do Oscar 2011, o filme que representará as cores do Brasil é um longa-metragem que conta sua vida: “Lula, o filho do Brasil”. Até esse dia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já terá deixado o poder – quase santificado, herói nacional, com um índice de popularidade recorde. A eleição presidencial acontecerá neste semestre.

Dilma Rousseff, 62, a candidata consagrada por Lula, está sendo dada como vencedora: levada pelo apoio do “grande homem”, ela poderá ganhar logo no primeiro turno, no dia 3 de outubro. Ela assumirá o cargo em janeiro. Será o fim dos “anos Lula”, os dois mandatos exercidos à frente do Estado pelo líder do Partido dos Trabalhadores, ex-líder do sindicato dos metalúrgicos, oitavo filho de uma família humilde, que deixou a escola aos 12 anos para se tornar engraxate de sapatos, vendedor de amendoins e depois torneiro mecânico na indústria automobilística aos 14 anos. Dessa adolescência passada em fábrica, o presidente Lula guarda a marca: um dedo amputado – não muito frequente na profissão.

Foi tudo isso que criou o mito. Mas não só isso. Se os anos da presidência Lula, 2002-2010, são celebrados desenfreadamente, é porque o homem está encarnando um momento-chave na história do país: o acesso do Brasil ao status de grande potência emergente. Juntamente com a China, a Índia e alguns outros, o Brasil é um dos Estados que estão modificando o mapa da distribuição do poder nesse início de século 21. Lula é o porta-estandarte dessa transformação, a passagem da potência virtual – “o Brasil, esse país do futuro e que continuará o sendo por muito tempo”, diziam no início do século passado – para potência real.

Primeiramente, é um sucesso econômico. O ex-líder do sindicato dos metalúrgicos “teve inteligência para aproveitar a onda da política conduzida por seu antecessor”, explica Alfredo Valladão, professor no Instituto Sciences Po e coordenador do centro de estudos União Europeia-Brasil. Lula aperfeiçoou a obra do presidente Fernando Henrique Cardoso, o homem da estabilização do real, a moeda nacional: ortodoxia monetária, privatizações, estabelecimento do país na globalização. Realista, mas fiel a seus compromissos, Lula somou a isso sua marca social: aumento do salário mínimo, bolsa de auxílio às famílias mais pobres.

Oitava economia mundial, o Brasil – 190 milhões de habitantes – acumula uma lista de trunfos impressionantes: riquezas naturais infinitas, indústria diversificada e, nesse país que tem 15 vezes o tamanho da França, um aproveitamento de terras que faz dele a principal potência agrícola mundial.

Em 16 anos – os mandatos FHC e Lula - , a classe média, já central, ganhou 35 milhões de pessoas. A economia se apoia em uma forte demanda interna e consegue resistir aos choques externos. Ela é levada por uma confiança no futuro apontada por todas as pesquisas de opinião. Os brasileiros estão otimistas em relação ao seu país; ao contrário dos europeus ou até mesmo dos americanos, eles estão certos de que seus filhos viverão melhor do que eles. Essa confiança também tem Lula, falastrão, de sorriso jovial, ombros de lenhador, charme para dar e vender.

Lula prevê: “o Brasil não ficará de fora do século 21, como foi o caso no século 20”. Fortalecido pelo peso de sua economia, o Brasil, assim como seus companheiros do topo das potências emergentes, a China e a Índia, quer sua parte de poder político na arena internacional. Ele briga por uma vaga de membro permanente no Conselho de Segurança da ONU; por mais direitos no Fundo Monetário Internacional (FMI); pelo fim do G8, que reúne as potências mais antigas, as do Norte, em benefício da perpetuação do G20,onde países como o Brasil, a Turquia e a Indonésia exercem um papel à altura de sua importância econômica.

É uma lição. Mesmo presidida por Lula, uma potência emergente continua sendo um Estado; ela não é uma ONG.


http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2010/10/noticias-que-voce-nao-vai-ler-na.html

Nenhum comentário:

A História do SPIN