29/11/2009

Quem explorou o escândalo

Por Luis Nassif, em seu blog

Uma boa constatação: nenhum jornalista sério da grande mídia explorou o episódio César Benjamin. Repito: nenhum jornalista sério.

Nos últimos anos, esse espírito macartista que tomou conta das redações inibiu o exercício do jornalismo. Em muitos casos, criou cristãos novos, dispostos a endossar com paixão o que lhes era pedido. Jornalistas com história, ou se inibiram ou jogaram fora a reputação, no afã de atender às novas demandas, em cima de um patrulhamento obsessivo, mas sem enveredar por baixarias.

A maioria merece solidariedade. Mesmo os que passaram a praticar o discurso único, merecem a compreensão.

O que não dá para justificar são os que se prestaram a atos vergonhosos, de endossar esse caso Cesar Benjamin, um dos episódios mais vis da história do jornalismo brasileiro. Foram pouquíssimas. Mas levarão essa mancha na biografia. O episódio é um portentoso funil para identificar caráteres.
.
Não financie a baixaria!

Por Helena Sthephanowitz, em seu blog


Não financie a baixaria. Anunciou no Casseta?, não compre!

Na nota abaixo, a Folha usou o Painel do leitor, para atacar Lula e os eleitores do Presidente.
"Em tempos de unanimidades, bajulação, mentiras, censuras veladas e neoperonismos, o corajoso e sensível depoimento de César Benjamin só vem confirmar aquilo de que eu já desconfiava havia muito tempo: que o Brasil está sendo governado por um bando de cafajestes sem escrúpulos. E o que é pior: recebem indenizações pelas suas cafajestadas. Parabéns a César Benjamin e a esta Folha." MARCELO MADUREIRA, "Casseta & Planeta' (Rio de Janeiro, RJ) (Folha, 28 de novembro)
Não é difícil identificar os programas, ou lixos televisivos, que fazem sátira de péssimo gosto, muitas vezes atacando a honra do Presidente da República. Um desses programnas lixo, é o Casseta e Planeta.
Quer combater esse tipo de lixo televisivo? Você não precisa ir na porta da Globo gritar palavras de ordens contra a emissora. Mesmo por que, eles não estão nem ai pra você...e ainda, vão rir da sua cara
Mas você pode deixar de comprar os produtos patrocinadores do programa, ou aqueles anunciados nos intervalos comercias. São esses produtos, e a sua audiência que estão financiando a baixaria contra o Presidente Lula e a você mesmo.Afinal de contas, o texto do humorista de quinta, atacou também, você eleitor do Lula. Ou estou errada?

FONTE: osamigosdopresidentelula

.Noite de emoção em São Bernardo do Campo (Clique aqui)
.
A patética esquerda sem povo

por Luiz Carlos Azenha, em seu blog

O episódio envolvendo César Benjamin, a Folha de S. Paulo e o "estupro" do frágil militante do MEP (Movimento de Emancipação do Proletariado) tem um caráter didático.

Antes de avançar, no entanto, recorro à memória de meu pai, o seo Azenha, que um dia foi militante comunista no interior de São Paulo. Era, o seo Azenha, a contradição ambulante: empresário durante o dia, militante clandestino durante a noite. Fez muita besteira na vida. Mas, curiosamente, como imigrante português tinha uma surpreendente capacidade de rir de suas próprias besteiras. E das dos outros.

Durante a ditadura militar o seo Azenha costumava frequentar reuniões clandestinas em um sítio nas proximidades de Bauru. Tinha a disciplina dos stalinistas (só tocou nesse assunto em casa muitos anos depois, quando a ditadura tinha acabado). Mas talvez por ter sido empresário tinha uma visão não dicotômica do mundo. Gostava de rir do fato de que os militantes que vinham de São Paulo traziam cartilhas com as quais pretendiam doutrinar os locais para aplicar o comunismo chinês ou soviético ao Brasil.

Esse preâmbulo tem o objetivo de dizer que seo Azenha, como militante, jamais tirou proveito pessoal do fato de ter sido preso pela ditadura militar. Jamais usou isso para se fazer de herói. Ou para obter vantagens, materiais ou de status.

O que me leva de volta ao artigo de César Benjamin, uma construção "literária" em que o autor tenta estabelecer uma conexão sentimental com os perseguidos pela ditadura militar, com o objetivo de "desclassificar" Lula, o recém-chegado que, no mínimo, grosseiramente despreza os militantes históricos como o jovem do MEP e, no extremo, estupra o idealismo do jovem militante com o seu pragmatismo.

Pois é disso que se trata: do antigo embate entre a vanguarda -- à qual César Benjamin alega pertencer -- e o povo, essa massa disforme que não sabe bem o que quer e que depende das luzes da vanguarda para perseguir o seu caminho.

O que Lula fez, na prática, foi "roubar" o povo de César Benjamin.

Eu deveria escrever O POVO, essa construção mítica da cabeça da esquerda, cujas vontades devem ser moldadas e apropriadas para a construção de um FUTURO igualmente mítico e glorioso.

O problema de Benjamin é que Lula é esse POVO. Ao dirigir os metalúrgicos do ABC, Lula fez mais para destruir a ditadura militar que todas as reuniões e assembléias da esquerda brasileiras multiplicadas por dez. Pelo simples fato de que o POVO, na cabeça da esquerda brasileira, nunca foi mais que massa de manobra. A esquerda brasileira é, na essência, tão elitista quanto a direita.

Lula, gostem ou não dele, representa a política do possível. Do incrementalismo -- etapismo, diriam os outros. Do tomaládácá. Faz parte da tradição do "pai dos pobres", do "pai da Pátria", perfeitamente integrada à história brasileira.

É por isso que Lula, o estuprador, satisfaz a fantasia sexual da esquerda e da direita brasileiras. Ele é o predador, que precisa ser contido a qualquer custo. O predador que ameaça a ideia de que O POVO não sabe o que quer e precisa ser conduzido ao nirvana pela vanguarda. De esquerda ou de direita, tanto faz. Este é o nexo entre Otávio Frias Filho e César Benjamin. Ambos querem conduzir O POVO. Só falta combinar com ele.

Nota do Viomundo: O fato concreto é que a esquerda de hoje é uma esquerda eleitoral. Que depende de 50% + 1 para se manter no poder, no Brasil, na Venezuela ou no Uruguai. Ao aceitar esse jogo parte da esquerda abdicou de seu caráter revolucionário "a qualquer custo".

Nenhum comentário:

A História do SPIN