12/10/2009

A nova geração de e-books

"Falamos tanto sobre o Kindle, leitor de e-books da Amazon com tecnologia e-ink, mas sempre achamos que ele demoraria para chegar no Brasil: pra começar que nem tem Amazon ou qualquer loja de livros virtuais por aqui.
.
Além de ser difícil pensar em um dispositivo que não seja um celular ou o Zeebo com tecnologia 3G. Mas contra todas as expectativas e adversidades, o Kindle chegará ao Brasil — e a mais de 100 países — a partir de 19 de outubro. Mas falando inglês e, claro, a um preço salgado.
A versão do leitor de e-book a ganhar o mundo é o Kindle 2 — o Kindle DX, com tela maior, continua exclusivo dos americanos.
.
A grande vantagem do Kindle é sua tela de e-ink, que não cansa a vista; a maior desvantagem, aparentemente, é que interagir com o texto fica mais difícil.
.
O preço do Kindle internacional é de 279 dólares que, mais taxa de importação e envio para o Brasil, saltam para 585 dólares, ou 1.030 reais. Bem mais que o preço esperado para o E-Book Reader da Braview — mas você leva mais funções pelo preço maior.
.
Primeiro, já existe uma grande loja de e-books: é na própria Amazon que você vai comprar o Kindle, e onde você vai escolher entre os mais de 200 mil livros e 85 jornais e revistas disponíveis para clientes internacionais.
.
Dentre os livros, os best-sellers custarão a partir de 11,99 dólares para clientes internacionais (contra US$9,99 nos EUA); os outros livros saem a US$5,99. E as revistas e jornais — dentre eles O Globo — serão vendidos avulsos ou por assinatura. No entanto, a maior parte do conteúdo está em inglês, e todas as compras serão feitas em dólares.
.
Segundo, vai rolar a transferência dos livros via 3G, um dos diferenciais do Kindle sobre outros leitores de e-book. Você poderá comprar e baixar conteúdo direto no aparelho, sem necessidade de um computador. Mas a cobertura do sinal 3G só atinge algumas regiões urbanas no Brasil, como você pode ver neste mapa.
.
A IDG detalha as regiões que possuem sinal 3G ou EDGE; se não houver sinal, você precisa baixar o livro no computador e transferi-lo via USB. Aparentemente, não existe custo adicional no uso da rede 3G, tal como ocorre nos EUA.
.
Terceiro, o Kindle tem um teclado para inserir notas, além de ser possível marcar páginas e destacar trechos — algo que o E-Book Reader da Braview não tem.
.
O que vai faltar no Kindle internacional, em comparação ao Kindle americano, é o navegador web (que renderiza as páginas porcamente, mesmo). E, segundo a Folha, o acervo de 200 mil livros para clientes internacionais é menor que o oferecido nos EUA, onde mais de 355 mil livros estão disponíveis para compra.
.
Enquanto isso, nos EUA, o preço do Kindle 2 caiu de 299 para 259 dólares. Jeff Bezos quer fazer o Kindle bombar no mundo inteiro, mas será que vai dar certo? [Amazon via IDG "
http://www.gizmodo.com.br/
.
"(...) Algumas pessoas podem querer manter seus livros físicos por um valor emocional, assim como alguns fazem com os discos de vinil. Mas nossa previsão é de que as próximas gerações lerão exclusivamente no formato digital – disse Cinthia Portugal, relações-públicas da Amazon, em entrevista ao GLOBO.
Tanto otimismo da Amazon nesta, digamos, “Revolução Digital dos Livros”, deve-se à aceitação do Kindle nos EUA. O aparelho é um e-book do tamanho de um livro pequeno, mas com menos de dois centímetros de espessura. Nele, podem ser armazenados mais de 200 obras ao mesmo tempo, entre as 225 mil disponíveis. O Kindle também possui um teclado, possibilitando que se faça anotações como num bloco, ou que se marque alguma página do livro virtual.(...)"
http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2009/01/28/amazon-aposta-que-seu-book-kindle-vai-substituir-obras-fisicas-754178913.asp
.
Comentário
Pelo que vi, a nova geração de e-books proporcionará uma leitura agradável.
Por outro lado, que conteúdos estarão sendo oferecidos para os usuários dos novos e-books?
Por enquanto, em português, somente o jornal O Globo estará disponível.
Deixe-me fazer uma ideação sobre o assunto então.
Estou pegando a estrada para viajar, passo num posto de gasolina e pergunto o frentista o que há disponível para que eu abasteça meu e-book de última geração de tela igual papel.
Eu: o que tem de bom aí?
Frentista: a Veja, o Globo, a Folha, o Estadão.
Eu: mas não leio isso. Quais os blogs que você tem disponível?
Frentista: tem os da Abril, Globo, – Reinaldo Azevedo, Miriam Leitão…
Eu: mas não perco tempo lendo estas porcarias que você está me oferecendo, tenho os meus blogs preferidos. Clique aqui para visitar um deles.
Frentista: eu não sabia, agora sei que há outras opções. Agora sei.
Eu: você era mais uma das vítimas do monopólio da fala e da informação.
Coro: a vida é muito mais. Agora sabemos que podemos.

Nenhum comentário:

A História do SPIN