12/10/2009

O Youtube do Planalto

Por Marco - no blog do Luis Nassif
.
Nassif, parece que finalmente o Palacio do Planalto “acordou” e já mostra em seu canal do Youtube o andamento de diversas obras do PAC.
.
Vale a divulgação para que as pessoas tomem contato com o que está sendo feito, uma vez que pela “grande imprensa nacional”, isso jamais será feito.
.
Vou colocar apenas o link das obras do Complexo do Alemão no Rio, e de lá o internauta poderá conferir as imagens de outras obras, ou até mesmo assinar o canal do Palácio do Planalto.
.
Comentário
A imprensa brasileira faz-nos de palhaços ao nos tratar desta forma.
Somente agora fico sabendo da existência do PAC numa favela do RJ.
As poucas famílias que monopolizam a fala e a informação resolveram fazer politicagem ao invés de noticiar fatos.
Não pode se noticiar o PAC porque falar desse projeto ou mostrar as obras em andamento ajuda Lula e, portanto, prejudica o Zé Serra.
Meu deus, tanta mesquinharia, que visão mais ralé.
Será que estas famílias que detêm tal monopólio não sabem que reza a CF que uma rede de televisão, como concessionária de serviço pública, deve prestar um serviço isento e imparcial a todos nós e não ao gosto de interesses outros?
Ah não, não há espaço para o PAC.
A imprensa tem que falar e muito sobre a lei anti-fumo e a venda de banana por quilo, duas grandes obras de Zé Serra, o candidato dos meios de comunicação.
Nem mesmo o trem-bala, que ligará Campinas ao RJ, mereceu espaço nesta midia oligopolizada.
A mídia está fazendo das tripas coração para derrotar Dilma.
Com certeza, não conseguirão.
Não permiteremos que os larápios voltem.
A adminsitração atual da Vale do Rio Doce, nas mãos dos tucanos-demos, um dos grandes feitos de FHC, é uma prova da ineficiência desta candidatura defendida por unhas e dentes pela oposição midiática.
Um jornalismo que já há algum tempo deixou de ser jornalismo para ser outra coisa que jornalismo sabemos que não é.
Pois jornalismo noticia fatos, o que não é o caso da imprensa brasileira, mais preocupada em manipular, inventar, criar escândalos, sabotar, detonar.
Para isso foram capazes inclusive de fazer vista grossa para o furto das provas do ENEM no interior da Gráfica Plura/Grupo Folha.
Aonde vamos parar com este cavalo desembestado chamado imprensa brasileira.
Quer dizer, aonde fomos parar.
Precisamos dar um basta nisso e, tal como fez a Argentina, lutarmos pela democratização da imprensa.
Sem democracia neste importante setor, não há democracia nenhuma, em nenhum lugar.

Nenhum comentário:

A História do SPIN