18/12/2008

Cecília Cotrim, olá


Clique na imagem para ampliar
Muito obrigado pelo vivo contato
Saudades, adoro a sua pessoa, sempre me lembro, não sei como você consegue subir aquele morro que dá acesso à sua casa
Quando cheguei estava exausto, assim como estava exausto ontem, cansado, eu estava cansado de mim mesmo, quis mudar de assunto, falar na 3a. pessoa, de que adianta?
O problema não é nem tanto a pessoa 1a. 2a, 3a. 4a 5a. feira sexta feira mas a velocidade = ímpeto = vontade
Ontem a noite pensei, vou parar com isso, esta coisa de escrever sob a velocidade da luz, isto está sendo muito perigoso para mim,
Depois que vi que o perigo não é para mim mas para este sistema que prende = mata gente como Pivetta, uma prisão absurda,
já passei, quis passar por isso, quis experimentar este tipo de coisa que, de uma forma dolorosa, Pivetta está experimentando, as pessoas acham que se trata de dano ao patrimônio público ou à propriedade privada ou querendo aparecer
Nada disso, afinal de contas, quem quer aparecer assim desta forma, na verdade para gente como Carol não maior dádiva do que a invisibilidade, para nós é um martírio viver que nem Michael Jackson, sem poder sair às ruas,
Sabes o que eu havia planejado para apresentar na Bienal?
Um caminhão cheio de mendigos, sair pelas ruas de SP catando deles e levá-los ao vazio da Bienal
E se eu tivesse feito isso eu estaria lá
Ao lado de Fernandinho Beira Mar
E por acaso Pivetta não está presa juntamente com as presas mais perigosas deste País, uma que, ao que tudo indica, matou a própria filha, outra matou os pais?

Nenhum comentário:

A História do SPIN