23/12/2008

Confio no meu médico (Ou: Muito obrigado Dr. Paulo Afonso Mendes Campos)

Diagnóstico: infecção provocada por um quadro de estenose, uma situação que não tem nada a ver com falha do médico, a falha foi minha, que não voltei lá antes, como ele havia me orientando, preferi ficar morrendo de escrever.
A bondade = vontade é o único mandamento que temos como obrigação = dever cumprirmos nesta vida
Estou me referindo ao desempenho humano e profissional do Doutor = sábio Paulo Afonso Mendes Campos
Eu que sou um paciente = vivente rebelde, há tempos que ele havia marcado para que eu voltasse e nada, não voltei porque estava com medo dele pelo fato de achá-lo parecido fisicamente com o Fernandinho Beiramar, nada a ver
Um medo à toa, o doutor paulo é de outra linhagem, vi nos olhos dele quando nos despedimos, ele quase vi seus olhos choramingando quando eu lhe disse "tem gente que me sugeriu procurar outro médico, no entanto respondi que não, que confiava no meu médico"
E confio, já fui de ser injusto, como quando eu era imaturo, denuncei Sérgio Alencastro Veiga de tê-lo destruido meus dentes, a gente não pode se deixar levar pelos outros, até hoje me arrependo, por minha causa ele foi descrendenciado do plano de saúde.
É muito fácil estragar a vida de pessoas boas, como estes profissionais que se dedicam de corpo e alma, estudam, fazem uso da ciência para nosso bem estar.
Por isso peço desculpas a todos os médicos que, de uma certa forma, prejudiquei com minha injustiça, coisa do mundo revogado = vencido.
Gostaria muito de reencontrar-me com vocês Sérgio de Alencastro Veiga.
Contra este, planejei soltar uma bomba no consultório dele.
Chamei uns amigos para a formamos um grupo = gangue = quadrilha para tal prática.
O primeiro, o João Pereira dos Santos, este agente secreto, humano, recusou.
Que este erro que por pouco não foi praticado por mim perduer como parábola = lição = exemplo daquilo que não deve ser praticado, a união de muitos, a formação de gangues, pessoas jurídicas informais, para a prática da maldade = crimes = doenças.
Que isto jamais seja esquecido pela juventude.
Vocês acabaram de ver a força de um coletivo = grupo = quadrilha.
Todos nós precisamos disso = grupos, mas que sejam grupos constituidos para a prática do bem, que tal uma banda musical, um trabalho junto ao grupo de jovens da Irradiação Espírita Cristã = islâmica = evangélica?
Uma Semana da Amizade, de práticas de esporte, competições, muito alegria, cuidado com os ímpetos que levam à formação de grupos como este que ataca ônibus de passageiros passando pelas rodovias, um grupo constituido para a prática da injustiça
Não pratiquem o mal, não façam como este spin que, em sua imaturidade abriu a haste de um pedaço de taboca = bambu e atou-o à cauda de seu melhor amigo, um gato, spin felino = quadrúpede, humano.
Ele nunca mais voltou, claro, agora sei, ele não tinha mãos para arrancar aquele troço do seu corpo.
Ooooh, tanta maldade

Nenhum comentário:

A História do SPIN