23/12/2008

Sinto uma dor intensa no ventre, no pé = fim da barriga
talvez eu não volte,
que pena, gostaria muito de voltar e revelar ao mundo a minha história escrita além da velocidade da luz
tenho cicatrizes no corpo feridas desferidas por lentos, estes que pensam = existem na velocidade do som
o som é tão devagar = divagar que, quando criança, um spin aigo batia com o machado num pau oco = sonoro
O som demorava tanto chegar em mi que eu, sem entender, corria para cima do machado do meu amigoi
E foi numa destas trapaça que levei uma machadada na perna, ficou na carne viva, até hoje tenho esta cicatriz,
e outras
uma no dorso da mão direito, esta de nascença = morrença, trago nos meus gens os sinais de todas as minhas mortes no passado = presente = futuro
Falando em gens, lembrei-me do cão mulato, um engenheiro genético, ele produz obras de arte atrávés da genética, inclusive frutas de todas as cores e formas
Ele está produzindo um cão híbrido, metade cão metade gato,
Em sonho fui uma cachorrava, uma mistura de cachorro com girafa
Lembrei-me do almoço de ontem = hoje, um cão e um gato, spin quadrúpedes, animais, bastante amigos, eles me adoraram, eles foram alimentados por Idéia Sem Fome, o gato chegou magro e saiu gordo, com a barriga cheia de carne, vim para isso, para te colocar em situação de plenitude espiritual, sexual e material = social, todos os indivíduos, não apenas os humanos como também os animais e as pessoas jurídicas

Nenhum comentário:

A História do SPIN