13/12/2008

No momento são 10:31, este post ficará em branco

Na Casa Triângulo, desenho em néon do avaf reproduz pichação

Não eternamente em branco
Refiro-me sim, à forma como foi tratado o vazio na 28a. Bienal de SP, veja só, estou me referindo à forma com que se lidou com o tema, o vazio, e não exatamente ao evento como um todo
O que aquele vazio provocou senão só e tão somente a prisão de Carol?
Posso estar errado, mas a impressão que tenho é a de que a 28a. Bienal de SP, pela forma como seus curadores lidaram com o vazio terminou se tornando um evento academicista.
Aquilo (o vazio) deveria ter sido colocado à disposição do público
Para que o(a) cidadão(ã) interagisse ao seu modo, do seu jeito
Aquele vazio sugeria isso, daí a interferência de Carol, o seu deslocamento de tão longe para SP para interagir e participar.
Prender uma pessoa por este motivo demonstra uma grande falta não sei nem de que
A manifestação de Carol foi significativa sim, inclusive serviu de inspiração para outros artistas
Significado parte de quem vê = olha = ouve = toca
Uma tábula-rasa, ou seja, uma pessoa sem sensibilidade = experiência é incapaz de ver significado em alguma coisa
Mesmo que os curadores com sua visão limitada não enxergassem nenhum significado no ato de Carol, poderiam ter chamado pelo menos o pintor de paredes e não a polícia para prendê-la
Se o curador não quisesse tal prisão era só ter itido aos policiais que soltassem a garota, pois sua manifestação, conforma o divulgado pela imprensa, estava dentro da proposta do evento.
A indignação diante da prisão de Carol decorre vai de encontro à liberdade de expressão, um ato cultural, por sinal uma garantia constitucional.
Cadê o STF de Gilmar Mendes, o protetor de nossos direitos constitucionais?
Apagar de imediato a inteferência já seria um erro, imagina só prender alguém por causa disso
E fico ainda mais indignado ao constatar que os mafiosos, estes que de fato emporcalham a cidade, estes estão livres, leves e soltos.
Sim, eles jogam um jogo pesado, bem forte, e por isso estão soltos.
Nós também jogamos.
Não eu sozinho mas muitos de nós.
Em grupo somos fortes.
Já somos muitos lutando pela libertação de Carol.
.
*****
Artivistas” manifestam em defesa de Caroline 'Sustos', presa ao pichar a Bienal
Artivistas” de São Paulo (SP) se reúnem em 13/12/08, a partir das 19h30, no Atelier La Tintota, para uma manifestação em defesa de Caroline Pivetta da Mota, a Caroline 'Sustos', presa em flagrante por ter pichado e depredado o Pavilhão da Bienal de São Paulo junto a um grupo de cerca de 40 jovens, em 27/10/08, durante a exposição da Bienal. A reunião visa a formação de um grupo de ação pela libertação de Caroline. A iniciativa é de Artur Matuck, Leonardo Ceolin, Pedro Paulo Rocha, Leopoldo Barbosa e Euler Paixão. Foi criado até um grupo na Internet para discutir o caso, o liberar-caroline@googlegroups.com.
A Fundação Bienal de São Paulo, por sua vez, diz que não “possui qualquer ingerência sobre a liberdade da jovem Caroline”, e que a “decisão pela sua permanência na prisão, ou mesmo a intensidade da pena aplicada ao caso, é de exclusividade da Justiça”.
Um manifesto em favor de Caroline escrito por Artur Matuck (artista plástico, escritor e professor da Universidade de São Paulo) e um comunicado da Fundação Bienal de São Paulo sobre a prisão da jovem podem ser lidos na seção “Artigos” do site Mapa das Artes.
|
Atelier La Tintota
Rua Brigadeiro Galvão, 296 / 298, tels. (11) 3666-2630 e 9858-3767.
www.latintota.net e http://latintota.blogspot.com

Fonte: http://www.mapadasartes.com.br/setoresnn.php?curt=1
.

" Os desenhos dos pichadores no andar vazio da Bienal, apagados por funcionários do pavilhão, vão ganhar uma versão em néon na galeria Casa Triângulo, em mostra aberta nesta quinta.

A idéia é dos artistas Eli Sudbrack e Christophe Pierson, juntos no coletivo assume vivid astro focus, que, por acaso, também participa da Bienal --vão levar um carro alegórico ao pavilhão e fazer uma festa de encerramento da mostra.

"Queríamos fazer uma homenagem às pessoas que questionaram o elitismo da Bienal", conta Sudbrack à Folha. "A pichação foi a melhor coisa que aconteceu naquele prédio, e achamos que ela deveria ter sido mantida lá, não apagada.(...)

"Às vezes, arte é só um sentimento, uma vibração ou energia, que não pode ser transformada em objeto", afirma Sudbrack.(...)"

Saiba mais

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u472240.shtml

isso

Cadê o STF?

Ultimamente a Suprema Corte está muito ocupada, pois que transformou-se num antro de perdição, um lugar feito para soltar mafiosos, bicheiros, banqueiros ladrões, desembargadores e juizes que vendem sentenças e participam de quadrilhas, empresários, advogados e até ministro do STJ.

Como se vê, a fábrica de habeas corpus para trambiqueiros está com muito serviço né, não sobra tempo para pessoas simples como a Carol.

Os perigosos são os artistas e não este bando de ladrões que, com sua corrupção ininterrupta e sua sanha por acumular mais e mais riquezas, relegam milhões de cidadãos(ãs) à probreza, à fome, à falta de cultura e, antes de tudo, destroem o meio ambiente, em busca do lucro devastam as florestas para plantar soja, seu espectro destruidor se estende não apenas ao âmbito dos seres humanos como também aos animais e às pessoas jurídicas.

.

Nenhum comentário:

A História do SPIN