12/12/2008

Uma proposta de interlocução (clique aqui)

Por Arthur Leandro

essa é minha mae, prof aposentada do dep de filosofia/ufpa, acho que vcs tem muito o q conversar... deixa um recqado a ela dizendo ser meu amigo e vamos ver no que da...

Comentário 1

Oi Arthur, isto me fez lembrar que no começo dá década de 80, eu tinha um médico como interlocutor íntimo = privado. Era ele meu ponto de conversa, meu elo. Escrevi textos e mais textos, construir objetos, instalações, fotos, vídeos. Entrega tudo prá ele. Passados 7 dias voltava ao consultório para pegar tudo de volta e destruir. Destruir era uma possibilidade de recomeçar, o espaço ficava vazio, eu queria ocupar o espaço = tempo. Ah, gostaria tanto de ter em mãos o que eu fiz, no entanto não tenho. Naquela época o médico sugeriu-me uma pessoa que havia se disposto a me ajudar a me organizar para que eu não destruisse minhas coisas. Ela também era filósofa. Naquela época não quis, agora quero. Ah, adorei seu "Corredor Polonês", adoro você, abraço a todos por aí.
Não tenho a menor idéia de como ocorrerá meu contato com sua mãe. Como é o nome dela?
Torço para que ela seja filósofa clínica, se não for, vou fazer de conta que é, interesso-me muito pelo assunto. Quero que ela seja, se não for não quero.
.
Comentário 2

Deixei este recado para ela
"Sou amigo do seu filho, o Arthur Leandro, e gostaria de ser seu filho digo amigo também"
.
Comentário 3

E se ela não for filósofa clínica, isto quer dizer que perdi uma possibilidade de amizade
na verdade não precisa ser médico(a) mas apenas amigo(a)
um momento, o telefone toca
Eu: alô
Ela: é a Dilma, você não vem para o churrasco?
Eu: eu vou
Ela: você vem com quem?
Eu: com a Sônia
Ela: então tá
.
Comentário 3

O que temos que fazer é eliminar arestas = contradições = contara
acabar com contra-diccções
falando nisso, no começo da década de 80 eu havia criado uma obra com esta palavra
contra diccções
uma palavra que ia sendo repetida
lembro-me do canto de um pássaro
pena que eu tenha destruido todo o meu acervo para, vazio, fazer tudo de novo, ocupar tempo = espaço, isto que não foi feito na 28a. Bienal de SP
O vazio ficou lá
Como enfeite
A artista que ocupou o vazio foi presa
Refiro-me à Piveta
ela é minha amiga
Soltem minha amiga
Ela não é filósofoa clínica mas é minha amiga = aliada
não há nenhuma contradicção entre nós
há sim, muitas contradições, muitas arestas a serem aparadas entre a minha pessoa e spin banqueiro, aquele que roubou bilhões de reais e no entanto foi solto "in continenti" pelo STF
Bando de salafrários
.
.

Nenhum comentário:

A História do SPIN